Frete Fixo
R$14,90
Entrega
em todo o brasil
Frete Grátis
acima de R$199
Parcelamento
em até 3x
Atendimento
via WhatsApp

Braceletes Prata

Usados desde o Antigo Egito, os braceletes podem ser definidos como aros para adorno dos pulsos, braços e antebraços. De estrutura mais rígida quando comparado com pulseiras, a peça é considerada um clássico no mundo da moda, sempre revisitado pelos grandes estilistas e grifes nacionais e internacionais.

Um exemplo dessa relação é da icônica Coco Chanel, que definiu o bracelete como “o acessório da moda inesquecível e invisível, que anuncia sua chegada e prolonga sua partida”, em referência ao poder atemporal e cíclico da joia, sempre nos holofotes do universo fashion – nas passarelas, editoriais ou street style – independente da estação.

Falando em poder, o acessório foi eternizado também no mundo do cinema – e quadrinhos – pela heroína Mulher Maravilha, do universo DC. Seus “Braceletes da Vitória”, criados a partir dos restos do escudo de Zeus, são inquebráveis e podem ser usados tanto para defesa da personagem quanto para o ataque contra inimigos, sendo um dos acessórios mais fortes da amazonas junto com o “Laço da Verdade”, a tiara e a sua espada. Na verdade, toda a história de Diana Prince foi fortemente inspirada na mitologia grega, e isso explica a escolha de cada um dos acessórios para a semideusa, que foi esculpida no barro por Hipólita e trazida à vida pelo deus dos deuses, Zeus .

Além de moda e cinema: história

            No Antigo Egito, os braceletes tinham duas significações. A primeira é relacionada ao poder e à riqueza, já que os membros da realeza utilizavam o acessório adornando não somente um, mas os dois braços como símbolo de distinção e status social. Depois, os egípcios acreditavam que a peça representava a possibilidade de renascimento. Logo, elas eram usadas – como foi averiguado posteriormente em escavações e estudos – nos processos de mumificação. Os soldados gregos e os romanos, assim como a Mulher Maravilha, utilizavam as peças em batalhas como parte de suas armaduras para ajudar na proteção durante os conflitos, protegendo a região.

Desde então, muitas crenças e rituais relacionados aos braceletes apareceram em todo o mundo. Na Bulgária, por exemplo, peças confeccionadas a partir do entrelaçamento de cordas vermelhas e brancas são responsáveis por atrair saúde, amor e felicidade em uma tradição chamada Martenitsa. Já na Índia, a peça está diretamente relacionada ao estado civil do usuário. Os homens usam um modelo específico, chamado de “kara” após o matrimônio. Os braceletes das mulheres é chamado de “kangan” e podem ser usados em diferentes ocasiões. No dia do casamento, por exemplo, as noivas usam uma joia esculpida nas cores vermelho e branco chamada de “chuda”. Quanto menor (mais fino), acredita-se que mais felicidade proporcionará ao novo casal durante e depois a lua de mel. Caso o marido venha a falecer primeiro, quebra-se os braceletes em ato de luto.

Como usar?

Para incorporar os braceletes no visual do dia-a-dia é necessário ter em mente que os acessórios – embora usados na mesma região corporal – são completamente diferentes das pulseiras, com outras sugestões e dicas de uso. Isso acontece porque a peça adiciona muito mais informação para uma produção e, dependendo do tamanho, modelo e cor, pode até mesmo ser considerada uma peça statement, aquela que sozinha tem o poder de segurar toda a produção. Ou, até mesmo, vale combinar vários modelos de espessuras mais finas que, em conjunto, criam um efeito de importância e estilo, com aquele toque cool e moderno. Os braceletes menores vão bem, inclusive, com relógios.

Um exemplo disso são os já considerados icônicos braceletes Love, da joalheria Cartier. Usados pela irmã mais nova de Kim Kardashian, Kylie Jenner, o modelo foi o mais pesquisado no servidor de buscas Google, chegando a uma média de 353.840 vezes por mês. O bracelete Love foi criado em 1969 e tem como inspiração os cintos de castidade utilizados na época medieval. Alguns modelos vem, inclusive, com fechos e chaves. De espessuras mais finas, o modelo pode ser encontrado em três metais diferentes. Sem o adorno de pedras ou pingentes, ele pode ser considerado minimalista, o que facilita na hora de compor as produções.

Truques de estilo

Não existem regras para o uso de braceletes, mas algumas orientações e truques para valorizar a produção final de acordo com o biótipo – estrutura corporal – de cada um. Para homens e mulheres de braços e pulsos finos, vale investir em modelos mais expressivos, de tamanhos maiores com tons vibrantes ou adorno de pedras e pingentes. Dessa forma, o acessório ajuda a equilibrar verticalmente o visual proporcionando volume. Agora, se o seu caso é o oposto, braços e pulsos curtos e grossos, peças mais finas e delicadas vão deixar a produção harmônica.

Porém, não são somente os braços e os pulsos que influenciam no uso de braceletes. Como geralmente a posição de descanso dos membros superiores faz com que os acessórios fiquem próximos à região dos quadris, uma peça maior e com mais detalhes pode chamar atenção para essa parte do corpo, aumentando visualmente o seu volume. Outro ponto que muitas consultoras de moda tocam é na questão da cor: qual metal combina mais de acordo com cada tonalidade de pele. Com as de tons quentes – veias esverdeadas na região do pulso – as joias na cor dourada são as mais indicadas. Tons frios – veias azuladas – combinam com metais prateados.

Braceletes personalizáveis

E um texto sobre acessórios para a região dos pulsos, braços e antebraços não poderia deixar de incluir um grande sucesso no mercado de pulseiras e braceletes dos últimos anos. Lançado por grandes joalherias nacionais e internacionais, trata-se do modelo com pingentes que permite alto grau de personalização por meio de berloques disponíveis em diferentes modelos, tamanhos, cores e materiais. O consumidor pode escolher desde o tipo de fecho até a quantidade de adornos que vai utilizar em sua peça. E não tem regras. Só o bracelete, com um pingente, dois ou cinco, não importa. Existem diferentes formas de montar e variar.

Vale usar todos os pingentes juntos, sem conexão. Outra maneira é combinar tonalidades próximas de pedras ou detalhes – para um resultado harmônico – ou, ainda, fazer uma composição temática, como natureza ou religião, por exemplo. Sem contar que, essas pulseiras personalizáveis, tratam-se de uma inesgotável fonte de presentes devido a grande quantidade de opções no mercado. A cada data especial, novos modelos são lançados. Dia das Mães, Namorados e Natal são algumas das ocasiões que sempre possuem novidades. E por fim, vale ressaltar que, quando se trata de um presente, a peça ganha uma significação muito mais especial. Cada pingente vai contar uma história e rememorar um momento.

Gênero